Cole o Código do Banner

29 de mar de 2013

Se não estivesse fora de moda....


Eu iria falar de Amor.
Daquele amor sincero, olhos nos olhos,
frio no coração.
Aquela dor gostosa,
de ter muito medo de perder tudo.
Daqueles momentos
que só quem já amou um dia,
conhece bem.
Daquela vontade de repartir,
de conquistar todas as coisas.
Mas não para retê-las
no egoísmo material da posse,
mas doá-las, no sentimento
nobre do amar.

Se não estivesse fora de moda.

Eu iria falar de Sinceridade.
Sabe, aquele negócio antigo de fidelidade,
respeito mútuo e outras coisas mais.
Aquela sensação que embriaga
mais que a bebida.

Que é ter, numa pessoa só,
a soma de tudo que as vezes
procuramos em muitas.
A admiração pelas virtudes,
aceitação dos defeitos.

E sobretudo, o respeito pela individualidade,
que até julgamos nos pertencerem,
sem o direito de possuir.

Se não estivesse tão fora de moda.

Eu iria falar em Amizade.
O apoio, o interesse, a solidariedade
de uns pelas coisas dos outros
e vice-versa.
A união além dos sentimentos
e a dedicação de compreender
para depois gostar.

Se não estivesse tão fora de moda.

Eu iria falar em Família.
Sim! Família!!!
Pai, mãe, irmãos, irmãs, filhos, lar.
O bem maior de ter uma comunidade
unida pelos laços sanguíneos
e protegidas pelas bênçãos.

Um canto de paz no mundo,
o aconchego da morada,
a fonte de descanso e a renovação das energias.
Família.

O ser humano cumprindo
sua missão mais sublime do sequenciar.

E depois.

Eu iria até, quem sabe,
falar sobre algo como a
Felicidade.

Mas é pena que a felicidade,
como tudo mais,
há muito tempo já está fora de moda.

Sabe de uma coisa menina aniversariante.
Me sinto feliz por estar tão fora de moda.
E você?
Também está fora de moda como eu?
Espero que sim...



Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...

8 de mar de 2013

Do coração de uma mulher


Se tivesse que abrir meu coração, eu contaria todos os segredos nele contidos, os que me confesso e os que até a mim mesma tento negar… 
Eu falaria da minha esperança, das lutas, da briga por uma felicidade que eu nem sei se existe, mas que insisto em querer buscar, da minha recusa em aceitar estar presa a não ser que essa prisão seja minha própria escolha… 

Eu diria, provavelmente, que essa fragilidade é apenas aparente ou que até nas horas mais fortes meu coração pede abrigo e compreensão… 

Eu contaria, talvez, do orgulho que me impediu de viver horas bonitas, mas que quando olhei para trás já era tarde demais, dos meus arrependimentos, dos perdões que tive que conceder a mim mesma para continuar a levar uma vida tão normal quanto possível.

E também do meu desejo de ter filhos, criar e procurar neles meus próprios traços e da minha alegria em encontrá-los. 

Eu mencionaria minha mãe, que entendi depois, quando me tornei mãe também e confessaria com orgulho o quanto a admiro e o quanto a amo. 
Eu até lembraria minha infância, minhas dúvidas da adolescência, meu desejo de crescer e de continuar menina, das vezes que me senti tola e briguei comigo mesma, me fiz inúmeras promessas e que esqueci quando o coração bateu forte novamente. 

Eu não conteria minhas lágrimas se tivesse que abrir meu coração, eu assumiria, beberia todas elas como bebi na taça das dores que sofri, dos amores que vi partir e dos que eu mesma abri mão. 

Eu sei que há coisas que nunca aprendi e que provavelmente nunca aprenderei, sei que da vida bebi e ainda beberei, mas que sairei um dia inteira, cheia de marcas e cicatrizes, mas mais que nunca me sentirei mais mulher. 

Uma mulher nunca diz tudo, há segredos que ela guarda só pra ela, que não confessa nem para a melhor amiga e é isso que a torna um ser assim tão cheio de mistérios, tão precioso, tão humano e tão excepcional. 

Por Letícia Thompson


Leia mais...

1 de mar de 2013

Caminhando minha saudade...


Saudade...
O que fazer com essa saudade?
Como matar de vez essa falta que me faz?

Como dizer para ela:
hoje não, agora não, me esquece,
saí fora, me deixa em paz?

Uma melodia,
um sorriso,
algum lugar,
um simples gesto,
palavras, mudez,
um toque,
um beijo,
meras dores,
extremas e loucas lembranças.

Qual a razão de não mandar notícias?

Eu tenho que ficar remoendo histórias,
vasculhando minha imaginação,
adivinhando em letras e sonhos,
como você está.

Tua ausência dói,
a falta que não te faço é bem sentida,
como coração partido em primeiro amor.

Você tem que morar no meu esquecimento,
mas os caminhos, as noites,
incubem-se de fazer com que essa ferida não sare
demonstrando que você ainda esta viva, queima,
como brasa ardente, por aqui.

É minha menina,
deixaste um corpo, meu corpo, marcado,
onde um coração mergulhado de paixão,
que você plantou,
mas não regou com teus anseios,
deixando de cuidar.

Achei que a falta do dia a dia,
murcharia essa fugaz planta de amor...
Mas como afirmar com certeza,
que ela é frágil?

Mina realidade é que mesmo longe, você está aqui.
Na boca ainda teu gosto,
Nos olhos apenas teu sorriso,
Na pele, teu perfume ficou entranhado,
depois dos dengos e carinhos da hora do prazer.

Sei que posso te ligar,
ouvir tua voz, saber você.

Só alimentaria meus desejos e volúpias insanas
com você.

Outra vez não.

Vou curar o coração e recompor meus sentimentos.
Quem sabe um dia nos cruzamos pela vida.
Agora, apenas em letras, vou curtindo a saudade,
te buscando em outras mulheres,
sentindo o peito arfar a cada nova curva,
a cada novo gosto, sempre pensando em te achar.

Fica na tua vida, 
que eu
vou caminhando minha saudade.


Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...

24 de fev de 2013

Sedução Feminina...




Existem varias formas de seduzir, e inúmeros jogos de sedução, melhor forma?? 

É o seu grau de desejo, apartir do momento que você sente, quer, deseja, siga seus instintos e sua sedução será inevitável.

O olhar é um dos mais fortes aliados da sedução, invista nele, atravez do olhar você consegue transmitir, muitas coisas. 

Movimente os cabelos, quando você mexe sensualmente ou quando você os toca, coloca atrás da orelha, uma franja caindo sobre os olhos, a curiosidade a ansiedade de você arrumar.... 

Uma cruzada de pernas, sensual com certeza é uma forma de sedução, muito forte.

Sua boca, sorriso malicioso, forma de movimentar seus lábios, dar uma mordidinha no cantinho, tocá-los sutilmente com o dedo, e olhá-lo rapidamente. 

Voz, seja natural, não force nada, fale calmamente, sinta a reação dele, quando estiver dizendo algo, diga olhando nos olhos dele e com um tom de voz um pouco mais baixo do normal, bem pouco.

Com a língua, muito sutilmente contorne em seus lábios, insinuando que você gostaria de ser beijada. Mas finja que fez sem querer e disfarce.

Se estiver em algum barzinho, ou algum lugar que você possa se levantar e ir ao toalete, ande de uma forma sensual, movimentos bem lentos, faça com que ele sinta todo seu desejo

Importante:

Esteja segura do que quer, não confunda sensual com vulgar e sempre 
acredite no seu poder de sedução.
Leia mais...

21 de fev de 2013

Sonhei para você...


Cada ponto de teu corpo, 
é um labirinto de ânsia. 

Cada pensamento mais ousado, 
um convite ao teu íntimo.Meus dedos abrem longos caminhos ocultos, 
onde nossos corpos nus e audazes, 
são o mito do amor, 
a face mundana do erotismo. 

É como um desabrochar da ousadia. 

Formamos uma entrega, 
um romance ao amanhecer. 

Desnudo teu ser e 
a cada toque uma conquista, 
em cada prazer, um gemido. 

Da vontade de querer sempre, 
criar o devaneio da loucura. 

E chegando ao limite, 
cruzo com teu êxtase 
te aconchegando em meu peito 
vivendo saudades de te viver. 


Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...

Ok, outra vez te digo assim...


Escrevo meus poemas, menina,
com letra intensa e só minha.
Cada palavra escrita,
mostra cada sentimento,
cada sentido da loucura do viver.

Cada lágrima, tua lágrima vertida
é tinta ungida, que me brindas 
em tua emoção.

Os verbos são presente,
o sonho muito futuro, 
as viagens passado.

Podem muitos dizer
que em amor, sou sonhador,
quase louco, mas cada momento 
vivido é descrito com dor,
alegria e lembrança.

Ninguém viverá esses meus momentos assim,
mistos de dor e prazer.

Cada letra,
cada toque sentido
é intensamente recordado
em palavras e gestos
vividos e eternos.




Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...

31 de jan de 2013

48 horas de prazer...




Sem causar espectativas.
Sem previsões amorosas.
Mas e dai se eu gosto
de imaginar.

Fica quietinha,
isso assim.
Apenas vive
Recebe
Te entrega...

Te surpreendo por trás
com muito tesão.
E com minhas mãos cheias
por teus seios arrepiados
e oferecidos.

Com meu falo já exposto, 
a roçar em tuas cochas, 
que entreabertas, 
fervem com o calor 
do desejo. 

Esperados que estamos, 
e carentes do "nosso" prazer, 
vai começando um vem e vai, 
um delicioso vai - vem. 

Pedes sussurrando, 
quase não te escuto, 
não és de pedir. 

Não tira não, 
tira sim... ai, aí menino. 
Mete, anda mete logo. 

E agora? 

De pé, 
já sobre a mesa, 
no chão, 
para que colchão, 
danem-se meus joelhos.

Ficamos ali
totalmente entregues
a boas e curtas 48 horas de prazeres,
sem pressas,como presas.

E seguimos conforme nossos sentidos
nos impelem,
acabando por fim ao mesmo tempo,
um ultimo gozo,
onde vermelha de vergonha,
tua vulva e meu falo
ficam como que a agradecer
todo o carinho que lhes dedicamos.

Será que faço mal
em viver atecipadamente?
Não, nada disso,
apenas lembrei o que viveremos.
Risos...



Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...

6 de dez de 2012

Amor proibido...

>
Meus olhos, 

de mãos dadas com a paixão,
passeiam por teu corpo,
colhendo formas, 
absorvendo sabores.

Revendo teus lugares de prazer,
sempre tão nossos,
tão arrepios, que só de olhar,
causam fortes gemidos contidos.

Na primeira vez, fomos juntos, 
aos poucos, tendo desvendado, 
de teu corpo, segredos, vontades,
nunca antes despertados.

Lembro como eras dengo puro,
beija-flor, gatinha-mulher.
Que se encolhia e se aninhava,
perdida no novo do prazer,
na esperança pura do novo amor,
rosnando forte, amparada, 
segura por meu peito.

Sei que eras sobrevivente ferida,
com lembranças de uma outra paixão
e que de mim, de nós, muito querias.
e que hoje, a nada se nega.

Mas o passado existe
e não pode ser esquecido.
Eras pertencida em nosso
amor proibido.

E logo a paixão tomou forma de amor.
Nos víamos, no tempo, pouco,
mas no coração, 
jamais estávamos distantes.

E hoje, lembrando de você,
vivendo outra vez teu corpo.
Tenho um novo sentimento,
duro, penoso, doído.

Sinto ciúmes de mim mesmo,
por ter permitido, 
a esse amor,
um tempo curto demais.


Creative Commons License Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Leia mais...