Cole o Código do Banner

5 de set de 2008

O jogo da vida que segue...



Ainda arfante,
volto meus olhos para o teto branco,
e nada vejo, muito sinto, quase vivo.

Ao despertar, o ar me faltava.
De repente à vida escorria rápida
por meu peito.
O gosto da impotência preenchia o
instante desespero da busca pelo
oxigênio, mãe volátil e preciosa
de nossa existência.

O peito inflado nada mais conseguia receber.
O esforço, mesmo que premente, era pouco.
As forças estavam tomadas e não dariam
espaço necessário para a renovação.

Corro, busco ajuda nos milagres dos homens.
Aspiro suas substancias e sozinho revivo.

O som estridente da campainha soa vermelho,
as cuidadoras chegam assustadas.
Meu peito mesmo agora mais sereno,
pede socorro.
Suga a vida espalhada pelo ar e
por ele, a existência do ambiente solitário
da morte, se desenrola nas providencias tardias.

Passado o segundo susto,
agora absorto em companhia de minhas letras,
posso sentir que nada mais importante na vida há,
que a companhia...

Estranha conclusão que chego,
poucos instantes do primeiro
arfar.
Que morrer é tão fácil, eu já sabia.
Só não acreditava que poderia morrer sozinho.

Que pena, que mesmo na luta,
no momento último,
tenhamos que ir,
como por aqui chegamos...

Sós.



Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

2 comentários:

R.Cássia disse...

Não gosto de me despedir antes de deixar o local de partida. Gosto, se preciso, do adeus enquanto saio, buscando gravar últimas imagens, cheiros e sensações... A partida sempre me deprime... Por isso, luto para não precisar partir...
Minhas bjks!

nanci cerqueira disse...

Poeta, é estranho, mas não consigo falar deste poema não,
quando releio passo mal, me perdoe, me desculpe...


Estranha conclusão que chego, ...


Te beijo com alegria ...