Cole o Código do Banner

16 de abr de 2010

Avassaladora... Partes I , II e Final

10/04/2010

Sem motivo aparente e ainda sob a surpresa de um velho amor, mas sem
nostalgia forçada pensei teu corpo, teu cheiro, agora.

Maravilhosos gemidos abafados, enquanto mordias meu ombro, onde sem dó,
deixastes tuas marcas e teus desejos.
Quase sinto ainda o perfume e o doce gosto de tuas águas, a inundarem
tua chama, dando mostras de que estavas entregues aos desiguinos de teu corpo.

Pensando bem, não faz tanto tempo assim,
de nosso primeiro beijo... rs
Talvez te lembres onde estávamos e que acompanhado,
apenas pude olhar em teus olhos, que imediatamente,
fizeram querer te adivinhar.

Num relance, quase cinematográfico, um filme intenso,
onde serias a protagonista, se fez vivo em minhas lembranças.
Imaginei-te apenas de calcinha, com teus saltos altos,
a bebericar um licor de menta, com bastante gelo picado,
sentada a vislumbrar o infinito, transformando minha imaginação
em puro estado de êxtase.

A recepção seguia sem graça, como quase todas o são.
Eu parado ali, inquieto com aquele teu olhar, pouco percebia do
ambiente que nos cercava.
Minha companhia merecia meu respeito, mas não necessitava meu coração.
Logo chegou a vontade de tê-la em meus braços.
Busquei-te com os olhos pelo salão, onde alguns casais dançavam,riam e
faziam da ocasião uma vírgula a mais em suas vidas.
Não te vi a principio.
Resolvi dar uma volta pelo lugar, te achar e ter a chance de dizer o
que estava sentindo.

Estavas em uma mesa, com mais duas moças conversando.
Seria indelicado aproximar-me chamando-a para dançar,
ignorando a presença de tuas amigas.

O que fazer?

Pensando um segundo, a verdade, como sempre,
seria o melhor a dizer, a fazer.

Aproximando-me da mesa, com passos lentos, tentei
conseguir tua atenção...

...Boa noite!
...Não levem a mal minha intromissão em sua conversa,
mas estou procurando uma pessoa e tenho certeza que vocês podem
ajudar-me.
...Posso sentar-me um instante aqui com vocês?

Um silencio um tanto incomodo, se fez notar.

Eliane, uma loira bonitinha, mas com o nariz super empinado, respondeu
meio a contra gosto.

...Boa noite!
...Pode sentar-se sim, mas o que o faz pensar que conhecemos essa
pessoa que procura?

Fazendo o possível para não rir, disse sério.

...Ela é uma mulher extremamente bonita e como mulheres bonitas sempre
se conhecem, posso apostar que são ao menos conhecidas.

Imediatamente como num passe de mágica, três lindos sorrisos
retribuíram o elogio indireto.

Rubia, outra loira, só que muito bonita, perguntou com uma voz e jeitos bastante meigos e educados.

...Pode ser que a conheçamos sim.
...Como ela se chama?

O pior é que não tinha prestado atenção ao sermos apresentados,já que
o tempo parou quando dei com aquele olhar insistente,confiante,atrevido mesmo.

Tendo que pensar rápido, mais uma vez a verdade prevaleceu.
Sem tirar meus olhos daquele olhar que acompanhava cada movimento de
meus lábios, como que querendo adivinhar o que eles iriam dizer,
só pude descrever que os olhos da tal mulher, tiveram o poder de me
encantar.

Seus olhos brilharam intensamente e um como um aviso, meu corpo ficou
alerta, pronto para reagir às primeiras palavras que ela dissesse.

***** PARTE II *****

Sem dar tempo para que Eliane e Rubia fizessem alguma coisa,
a morena levanta-se e sem desgrudar seu olhar do meu, disse
taxativa.

... Podem deixar que sei de quem o senhor esta falando.

Levantou, pegou minha mão tirando-me dali.
Claro que ela sabia que era dela que eu falava.

Chegamos a um canto mais retirado e com um olhar que mataria um
beija-flor, em pleno vôo, foi logo perguntando...

...Muito prazer.
...Se não lembra meu nome, deveria ter prestado mais atenção quando
fomos apresentados.
...O que quer comigo?
...Lembro que estava acompanhado.
...Por acaso lembro sua filha, ou quem sabe uma neta?
...E para facilitar sua memória, me chamo Bruna Catharina.

Como acalmar aquela fera?
Só o tempo e um sorriso poderia fazer com que me escutasse.

Passados alguns segundos e sem dizer uma palavra a segurei pelo
braço, com carinho, mas firmemente, levei-a para uma varanda ali perto.
Com delicadeza a encostei no parapeito e sem sorriso algum. tentei
captar o que aqueles olhos diziam e que a boca não saberia traduzir.

Dizendo meu nome, tentei ser o homem mais calmo o mundo.
Mas antes que pudesse dizer alguma coisa, Bruna voltou à carga...

...Aonde esta a moça que veio com você?
...Não é papel de um cavalheiro, deixar uma moça sozinha, num jantar
como esse.
...Ainda mais uma mulher bonita como ela.
...É sua filha?

Seu jeito de brava esconderia com certeza, uma mulher frágil,
que muito precisa de carinho e verdade.

Dei-lhe mais um tempo.
Passou um garçom, chamei-o e sem consultá-la pedi...

...Por favor.
...Poderia nos servir um vinho branco, alemão de preferência,
para senhora e um copo de Pepsi com bastante gelo para mim.

Ela olhou-me inquieta.

...Como sabe que gosto de vinho branco?
...E você bebe refrigerante, quer me embebedar?

Acendendo um cigarro, ficou esperando minhas respostas.

...Sei que pode parecer estranho minha abordagem de a pouco,
junto a suas amigas, mas é que tinha que te olhar de perto
outra vez e ter a certeza do poder que teu olhar causou.
...Ao sermos apresentados, não pude esquecer o jeito que me olhou.
...Será que lembro teu avô, ou quem sabe teu pai?
...Ou você sentiu a mesma energia que eu?

Seu semblante foi suavizando lentamente.
Ela fica linda braba, mas fica avassaladora sorrindo.
Sem perder a chance, afirmei sem pestanejar.

...Você menina, não pode imaginar o bem que esta me fazendo
nesse momento.
...Não vale a pena contar essa minha jornada, falar de um amor
que há trinta anos não via e nem falava com essa pessoa, quando de
repente surge em voz e coração a minha frente.
...Quando cheguei aqui a trazia no pensamento e principalmente no
coração e você me fez esquecê-la e voltar realidade.
...Sinto tê-la importunado.
...Terminemos nossas bebidas, voltemos ao convívio das pessoas,
que te garanto que essa duvida sobre você, saberei guardá-la só pra
mim.

Bruna, agora bem mais tranquila, apagou o que restava do
cigarro sorveu um pouco de vinho, ajeitou os longos cabelos negros,
segurou minhas mãos e com o mais lindo sorriso, disse com
os olhos de uma criança feliz.

...Olha aqui meu senhor e riu mais forte.
...Peço desculpas pelo avô, pelo pai.Afinal você poderia ser no maximo
meu irmão mais velho e olha que só tenho trinta e quatro...
No inicio achei que você só queria uma companhia para se livrar da que
veio com você.
...Me perdoa ou não?

...Com uma condição, te perdôo sem duvida.
...Alias são duas, pode ser?

Ela se fingiu pensativa e sorrindo, disse que sim com a cabeça.

Com a certeza de que estava ali o momento do nosso querer.
Segurando-a pelos ombros, olhei bem fundo em seus olhos, beijei-os
com suavidade segurando eu rosto com extremo carinho.

...Primeira condição;

...Quero nos ver longe daqui e sozinhos.

...E a segunda, é que possamos nos conhecer, para que nossos desejos
possam se provocar e conversarem bastantes com nossas vontades.
...Ou seja, não quero te perder para a vida e muito menos para o sem
graça do destino.

Bruna me olhava totalmente sem jeito como se eu a tivesse convidado
para dar um passeio pela Lua.

Ato continuo a abracei forte, acarinhei seu corpo e a beijei de leve a boca.

...Espera.
...Nem te conheço.
...Na realidade, não nos conhecemos nada.
...Como posso sair daqui com você assim?

Um tempo...

...Tem razão.
...Não nos conhecemos quase nada, mas será que nossos desejos,
irão permitir que nos percamos um do outro por medo das vontades?

Agora o abraço partiu dela.
Forte, denso e sem perceber descansou a cabeça em meu peito.

Puxando-a pela mão, sem dar tempo para a razão interferir,
passamos em sua mesa, pegamos sua bolsa e sem que ninguém percebesse
sumimos no mundo um do outro.

***** FINAL *****


Para continuar, tenho que deixar o tempo dizer o que pode ser.

Vamos fazer desse video do Emilio Santiago,

o caminho para cada imaginação...






5 comentários:

Catharina disse...

Pura covardia, mas deliciosa realidade.

Adoro você.

Nanci Cerqueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Claúdia disse...

Rilton,
mais uma vez nos leva a soboraer tuas aventuras.
Adoro viver com você cada detalhe, mas devo confessar que sinto um ciúme danado...kkkkk

Espero que ejas feliz sempre, mesmo longe de nossos momentos.

Você merece amar de verdade.
Torço para que ames tão profundamente como é amado.

Tenho inveja dessa avassaladora mulher que te encantou, mas teu coração suportará, como sempre, essas paixões.

Te amo muito, mesmo sendo, hoje, para você, apenas tua amiga.

Beijos em todos.

Ana Claúdia

Catharina disse...

Já estou com saudades e as meninas também.

Estavamos fora quando ligou.
Fica tranquilo que o tempo nos mostrará que nada disso é sem um proposito de felicidade.

Vou fingir surpresa e dizer que mais uma vez me deliciei com tuas, não, nossas letras.

Lembra que o pssado é longe e que o presente são Paula,Clarinha, juntas com nossos sentimentos.

EStou te amo demais homem.
Parece coisa de outro mundo.
Um mundo que esta sendo maravilhoso.

Te esperamos com o coração só para nós tres.

Beijos meu amor.

R.Cássia disse...

Que bom voltar aos velhos/novos contos da vida real.
Bjks.