Cole o Código do Banner

7 de nov de 2010

Verdade do Tempo




O relógio soa...
Levantei, a água desceu, o corpo tremeu.
De repente dei comigo frente ao espelho e sem dar chance de volta, como profecia, o contraste atropelou-me a razão de como, o sinistro tempo voa e vidas mudam, ressurgem, apagam-se.

Bati com a fronte aberta, inteira encarando a idade.
Dei-me conta que o fio das contas do terço que não rezei, chegou quase ao final e a vontade de seguir ficou em outros espelhos mudados, trincados,
quase todos quebrados.

Terrível batida... desastroso acidente esperado.

Voltei, abri os olhos e lá estava o espelho, em seu cru reflexo.
Eu, sim eu, diferente, não me reconheci, não dei comigo realmente.
Esse espelho esta diferente, opaco, sem nada de lúdico.

Quem sabe outra dimensão estou sonhando?
Será que o outro lado também é igual?
Rápido como o tempo, corro ao lado buscando outro espelho, outro eu.

Agora sim, este está certo.
Que susto levei.
Aquele diferente espelho é irreal.
Este aqui, em minhas mãos, não mente,
Reflete apenas o que o dono sente.

Mais tranquilo, busco o remédio da hora, apalpo a cama, bagunço o criado mudo, xingo, remexo outros vidros e acho os óculos.

Ato continuo, levo-os aos olhos.
Confesso...
Que medo sinto agora de voltar a aquele espelho.



Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Nenhum comentário: