Cole o Código do Banner

27 de dez de 2011

Mulher agora usa uniforme de biscate...

No Natal, em conversa nada reservada, com sobrinhos, filhos, amigos e afins, pude notar que mais homens pensam como eu e nenhum tem a minha idade(55). Todos bem mais novos.
Discutimos o tema, avalie o resultado da pesquisa...rs




Estou ficando velho. 
Ou meu senso estético se aprimorou com o tempo. 
O que eu acho é que a moda para mulheres virou uma biscatice prêt-à-porter. 
A maioria das meninas cismou em usar uniforme de vadia.
Lembrando que as vadias, também são, grandes mulheres.


Sei. 
Vou parecer moralista, um beócio reacionário, um grosso. Podem procurar no dicionário, estou dizendo coisas horríveis sobre mim mesmo. 
Admito que não foi fácil chegar a essa conclusão.


Sim, estou generalizando. 
Ok, me refiro àquelas produções das minas para baladas, festas e barzinhos. 
Nos ambientes corporativos e em alguns velórios a situação ainda não é tão crítica. 

Ainda. Há exceções.


Não aguento mais ver todas as meninas bonitas ou feias ou medianas se vestindo como bailarinas do Faustão, marias-chuteiras, rainhas de bateria ou garotas de programa. 

Seja no show sertanejo, na churrascada de domingo ou no aniversário da prima. 
Tá dominado...rs


Estou falando sério. 
Podem me detonar. 
Eu adoro mulher, juro, mesmo sem usar piercing. 
E já cedo quebrava o pescoço quando passava uma deusa na rua. 
Mas o fato é que a sensualidade feminina virou sinônimo de vulgaridade.


Prestem atenção, principalmente nas menina bonitas mais jovens. 
Elas se vestem igual, parece uma clonagem, 
um surto coletivo, 
uma epidemia, 
uma lavagem cerebral. 

Ser sexy, libidinosa, visualmente disponível, agora é a regra.


A farda da mulherada tem um item inegociável: saias curtas, muito curtas, curtíssimas. 
Ou vestidos, shortinhos, sei lá. Pernas à mostra, com ou sem celulite. 
E bustos, e costas, e braços. 
Todas as curvas e retas precisam estar dentro do campo de visão dos transeuntes. 
Isso é vertigem.

Até no inverno esse padrão se impõe, graças às leggings e meias-calças de lã. 
“Biscate não sente frio” vai substituir “Ordem e Progresso” na bandeira nacional. 

Seremos a pátria das patricinhas? 
Ou o país das panicats?


Sim, porque o que muda é a qualidade e o preço dos poucos tecidos. 
Essa ascensão do corte das roupas não mais distingue classes sociais. 
Peruas e periguetes, tanto faz. 

E o governo não toma nenhuma providência!
(rsrsrsrsrsr)


Existe uma regra básica, meninas: mostrou uma parte do corpo, segura o resto. 

Não tem falha. 
Os marmanjos vão salivar discretamente, até por que babar é muito feio. 
Escancarou? 
O selvagem sexto sentido dos homens elimina os cinco anteriores. 
Nessa hora, ninguém presta.


É uma feira, uma exposição, uma gincana. 
Um Big Brother, uma Fazenda
Um açougue. 
Que a Sabrina Sato se vista do jeito dela, eu entendo, ela é paga para isso, merece cada centavo. 

Mulherão. Profissional.


Mas qual o cachê que as humanas mortais esperam receber ao final de um espetáculo exibicionista que se perde na multidão? 

Cadê plateia pra tanto show?


Foi para isso que as mulheres se rebelaram contra séculos de opressão? Rebeldia agora é ser discreta e elegante. Tem coisa mais bonita que a noiva nua e o seu véu?

Sexualidade é um diamante muito íntimo. 

Um corpo merece ser procurado, 
escavado, explorado. 
Conquistado. 
Nenhum tesouro fica exposto a céu aberto.


Quer dar? 
Dê-se ao respeito. 
O primeiro beijo é na mão.


Rilton
Adaptação de texto de Marco Antonio Araujo


Nenhum comentário: